quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Dhyan - Autodesenvolvimento através da meditação em movimento

Curso de Autoconhecimento e Meditação 
(Dhyan Dao) 

Através do desenvolvimento da auto-observação é possível reconhecer, aceitar e transformar mecanismos e condicionamentos prejudiciais à harmonia do ser, quase sempre inconscientes. 
As técnicas utilizadas promovem o desenvolvimento da unidade entre mente, corpo e emoção, despertando a consciência e possibilitando a conexão com estados de harmonia interior, atenção, receptividade, fluidez, relaxamento e silêncio. 
Alguns pontos abordados:
 - técnicas para aumentar a percepção consciente; 
 - a atenção como instrumento para autoconhecimento; 
 - harmonização dos centros energéticos do corpo sutil;
 - conexão com a essência interior. 
Neste trabalho, os Movimentos Gurdjieffianos são uma das principais técnicas utilizadas, além de práticas taoístas, meditações ativas, chi kung e meditação passiva. 
Em nosso padrão de condicionamento, o sistema corpo-mente foi treinado a executar um número limitado de movimentos - calcula-se que uma média de 300 a 400. Compreende-se que esta limitação termina funcionando como um reflexo da forma restrita como percebemos a nós mesmos e ao mundo. 
Ao exigir que nosso corpo mova-se de formas que não estão incluídas no repertório normal do sistema corpo-mente, os Movimentos permitem acesso a novos estados, isto é, a espaços não condicionados do ser. 


Diferente do que muitas pessoas imaginam, o estado meditativo pode também ser alcançado por meio de movimentos. Preservados por escolas de sabedoria da Antiguidade, os movimentos considerados sagrados, foram resgatados por Gurdjieff, importante pensador e mestre espiritual do século XX. Esses movimentos possibilitam a unidade entre mente, corpo e emoção, produzindo um estado superior de Consciência, de Presença e Atenção Plena.

Os movimentos são como letras de um alfabeto que ao serem organizadas em danças
, formam palavras e frases que possuem a capacidade de alterar os estados de consciência de quem dança e assiste.

O encontro de Dhyan Dao possibilita acessar espaços não condicionados da mente, onde há verdadeira atenção, serenidade e compaixão.

Descrição:
Dhyan é uma palavra em sânscrito, que mesmo não tendo uma tradução absolutamente literal, significa iniciação à prática de meditação. Entenda-se meditação, como a capacidade de estar presente sempre.
Técnicas:
Este Trabalho tem o objetivo de criar situações onde se pode experimentar o silêncio interior e a conexão com dimensões mais sutis do nosso ser.

Através do desenvolvimento da auto-observação, podemos vir a reconhecer, aceitar e transformar mecanismos e condicionamentos prejudiciais à harmonia do ser, quase sempre inconscientes.

As técnicas utilizadas promovem o desenvolvimento da unidade entre mente, corpo e emoção, despertando a consciência e possibilitando a conexão com estados de harmonia interior, amorosidade, atenção, receptividade, fluidez, relaxamento e silêncio.
Alguns pontos abordados:
- técnicas para aumentar a percepção;
- a meditação como instrumento de auto-conhecimento;
- harmonização dos centros energéticos do corpo sutil;
- conexão com a essência interior.


Missão:
Divulgar ferramentas que auxiliam o processo de autoconhecimento

Biografia

Dwaro estudou psicologia nos anos 70 e, a partir dos anos 80, inspirado pelas ideias do filósofo indiano Krishnamurti, dedicou-se ao estudo e à prática de métodos orientais de autoconhecimento.
Viveu nos Estados Unidos, onde teve contato com os ensinamentos de Gurdjieff e aprendeu métodos taoístas de meditação e auto-cura.
Morou na Índia, onde foi iniciado por Osho. Tornou-se mestre Reiki em 1991 na Índia. Retornou ao Brasil em 1996 e tornou-se discípulo do Mestre taoísta Liu Pai Lin. Desde então conduz grupos de auto-conhecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário